21 outubro, 2012

Ansiedade no Pós-Operatório



A ansiedade por uma questão biológica sempre acompanhou o ser humano ao longo da sua jornada. O que se apresenta de novo na atualidade, são as descobertas que englobam o manejo dos tipos e efeitos da ansiedade sobre a díade (mente-corpo).

Entende-se, portanto, que todo ser humano possui um potencial ansioso de caráter fisiológico que atribui o sentimento de (medo) inerente à todos os tipos e subtipos de ansiedade.

É exatamente neste momento em que o Psicólogo deverá ser capaz de diferenciar causas orgânicas das causas funcionais, pois algumas causas orgânicas podem ser facilmente confundidas com Transtornos Psiquiátricos.

 Em uma avaliação apressada, por exemplo, seria facilmente compreensível que  uma agitação motora fosse interpretada como sinônimo de ansiedade. Há uma ligação lógica mas nem portanto verídica em 100% dos casos.

O hospital, por si só, é um ambiente cujo significado já se encontra "internalizado" por cada um de nós, uma vez que representa um ambiente de dor/sofrimento, perda da autonomia sobre si mesmo e sobre o seu corpo, etc. 

Frente a estas questões tão importante quanto o acompanhamento psicológico no pré-cirúrgico igualmente importante se faz o mesmo no pós-cirúrgico. Uma vez que somos seres dinâmicos e a percepção real do corpo (agora visível, sentido e percebido) como "cortado", "costurado" e "violado" poderá desencadear um turbilhão de emoções que se não forem acompanhadas por um psicólogo poderão cruzar a linha tênue que separa o normal do patológico.
 
E neste campo temos a dimensão multifacetada de vários transtornos que podem existir e/ou coexistir dentro de uma estrutura "saudável" de personalidade que só precisava de um "gatilho" para desencadeá-los como: Transtornos da Alimentação, Transtornos do Humor, Transtornos da Ansiedade e  para encurtar a lista- Transtornos Somatoformes.

Se atualmente você  está passando por uma fase de recuperação pós-cirúrgica ou acompanha um ente querido ou conhecido neste momento de sua vida e percebe que o mesmo vem tendo episódios de oscilação do humor e/ou comportamento como um todo, solicite ajuda do setor de Psicologia em que fora realizada a cirurgia, ou peça um encaminhamento para o setor mais próximo à sua residência. 

Ou se for o caso, há a possibilidade de  contar com os serviços de visita domiciliar conhecido como Home Care. O que importa é dar a devida atenção ao caso que muitas vezes é percebido pela família como "frescura" ou "necessidade de chamar a atenção". Quando na verdade, nada mais é do que um caso real de adaptação que inspira cuidados de um profissional treinado para tal fim. 

Por Dani Souza

7 comentários:

  1. você tem msn? não tem mais posts sobre o tdah ou ritalina? comecei essa semana a tomar ritalina (orientação médica), mas não sei se os efeitos que sinto são em razão do remédio ou psicológico

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. email: vcamargo@hotmail.co.uk

      Excluir
    2. Boa noite, Victor!

      Antes de emitir a minha opinião gostaria de registrar que a faço em consonância com a resolução do Conselho Federal de Psicologia Nº 010/05. Ementa: Aprova o código de Ética Profissional do Psicólogo.

      Princípios Fundamentais

      V- O psicólogo contribuirá para promover a universalização do acesso da população às informações, ao conhecimento da ciência psicológica, aos serviços e aos padrões éticos da profissão.

      Das Responsabilidades do Psicólogo

      Art.1°- São deveres fundamentais dos psicólogos:

      j)ter, para com o trabalho dos psicólogos e de outros profissionais, respeito, consideração e solidariedade e, quando solicitado, colaborar com estes, salvo impedimento por motivo relevante.
      _________________________________________________________

      Os posts sobre ritalina e/ou tdah postados no psique são: "Entendendo o TDAH", "O TDAH e a Ritalina", "Psicofármacos versus crianças."

      A princípio toda relação positiva para uma intervenção seja ela de caráter medicamentoso ou psicoterápico deve ser baseada na confiança mútua entre (profissional-paciente) para que dúvidas sejam esclarecidas, para que o atendimento e seu desfecho sejam totalmente entendidos e principalmente para que o paciente não saia do consultório vacilante, sem entender o manejo do seu caso.

      Sugiro que reconsidere a informação acima e responda para si mesmo se o seu tratamento está te possibilitando ter um canal de comunicação com o profissional responsável pelo seu caso. No demais desejo sucesso na sua trajetória e aproveito para agradecer a sua participação no Psique. Fica aberto o convite para uma próxima visita.
      Atenciosamente,
      Dani Souza

      P.S: Caso queira aprofundar os seus conhecimentos a respeito do TDAH. Existe um site de extrema confiabilidade, credibilidade e seriedade no manejo com o tema: www.abda.org.br

      Excluir
    3. Sobre o MSN

      Victor, sei que pode parecer estranho, mas é a mais pura verdade.Só disponho de e-mail. Confie neste canal de comunicação, pois toda solicitação que vier a me fazer será respondida assim que for lida. Abraços, Dani Souza

      Excluir
  2. Muito obrigado Dani !! Vou entrar nesse site e me informar mais !!
    abraços

    ResponderExcluir
  3. Ola estou fazendo a visita e gostei do blog parabéns
    http://snestalgia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Juan,

      Se algum post lhe gerar dúvida não hesite em perguntar a respeito. Abraços!

      Excluir